quarta-feira, 12 de outubro de 2016

10 novelas mexicanas em que o público preferiu o coadjuvante; saiba mais


Os clássicos triângulos amorosos, são figurinhas carimbadas nas nossas queridas novelas mexicanas. Todos sabemos que o final será o mais previsível possível: a mocinha ficará com o mocinho! Mas, já houve algumas ocasiões em que o público preferiu torcer pelo coadjuvante, ou a segunda opção. Algumas vezes os produtores/escritores até acataram e deixaram seus protagonistas ao lado daqueles que começaram como "o outro". 

Veja alguns casos:


PRISIONERA DE AMOR (Prisioneira do Amor, 1994) – Nessa produção de Pedro Damian, o público até torcia pelo amor dos protagonistas, Cristina (Maribel Laguardia) e José Armando (Saul Lisazo), mas em determinado momento da trama, a mocinha acaba enlouquecendo, deixando seu galã desolado. É quando surge Consuelo (Leticia Calderón), a nova enfermeira de Cristina que logo inicia um romance com José Armando. Os dois se casam e são felizes, mas logo Cristina recupera sua razão, deixando o protagonista dividido entre dois amores. Em entrevista, Leticia Calderón revelou que Pedro Damian se revoltou ao descobrir que o público preferia que sua personagem, e não a protagonista, terminasse a novela ao lado do personagem de Saul. Mesmo com os pedidos do público, quem ficou com o galã foi mesmo a mocinha. Após perceber a indecisão do marido, Consuelo pede o divorcio, deixando o caminho livre para Cristina.


TE SIGO AMANDO (Sigo Te Amando, 1996)/LA QUE NO PODIA AMAR (A Que Não Podia Amar, 2011) – Talvez esse seja um dos casos mais curiosos referente a preferencia do público. Na produção de Carla Estrada, Ignacio (Sergio Goyri) era um vilão como manda o figurino: cruel, violento e assassino. Enquanto o mocinho, Luis Ángel (José Luis Santander), era um homem nobre e de bons sentimentos. Mesmo assim, a grande maioria do público torceu pra ser Ignacio o elegido para terminar a novela ao lado de Yulissa (Claudia Ramirez), pois conseguiam enxergar um sentimento verdadeiro do vilão pela mocinha. No final, Yulissa não terminou nem com Ignacio e nem com Luis Ángel. Anos depois, na nova versão da história, o vilão, dessa vez Rogelio (Jorge Salinas) foi suavizado e a preferencia do público para ficar com a mocinha, Ana Paula (Ana Brenda Contreras) novamente foi o mesmo, tirando os holofotes do novo mocinho, Gustavo (José Ron). Diferente das outras versões, Ana Paula enfim decidiu ficar ao lado de Rogelio.


ESMERALDA (Esmeralda, 1998) – A história de amor entre a cega Esmeralda (Leticia Calderón) e o rico José Armando (Fernando Colunga) parece não ter agradado todo o público mexicano. Muitos telespectadores, insatisfeitos com os atos do galã, aprovou a entrada do Doutor Álvaro (Juan Pablo Gamboa) e a preferencia para que fosse ele o elegido pela mocinha foi grande. Boatos indicam que a própria Leticia Calderón torcia pelo personagem, e chegou até a tenta mover suas influencias para sua personagem ficar com o de Gamboa no final. Foi inútil, já que no final da novela, a ex – cega volta aos braços de seu primeiro amor.


MUJER DE MADERA (Mulher de Madeira, 2004) – A intenção era que o personagem Cesar (Jaime Camil), o homem que abandonou Marisa (Edith Gonzalez) no altar no passado, fosse só um empecilho para o romance entre a protagonista e Carlos (Gabriel Soto), mas não ocorreu como o planejado. O personagem de Camil foi ganhando cada vez mais espaço na trama, e a torcida do público para que seu personagem ficasse com a mocinha foi ainda maior com a substituição de Edith Gonzalez por Ana Patricia Rojo. O produtor Emilio Larrosa acabou cedendo a pressão do público e Marisa e Cesar acabaram virando o casal principal, enquanto Carlos acabou formando um casal com a irmã da mocinha, Aída (Ludwika Paleta). A sorte do personagem de Soto seguiu inexistente já que, também por rejeição do público, Aída foi assassinada dentro da trama. No final, seu personagem ficou com Mariana (Mayrin Villanueva).


LA ESPOSA VIRGEN (A Esposa Virgem, 2006) – Durante toda a trama, Virginia (Adela Noriega) lutou contra o amor que sentia pelo nobre José Guadalupe (Jorge Salinas), mas quem realmente se esqueceu do romance entre os dois foi o público. Enquanto isso, o vilão Fernando (Sergio Sendel) caiu nas graças do público. Manipulado pela mãe, Aurelia (Lilia Aragón), ele pensava que a protagonista era uma interesseira que só estava interessada no dinheiro de sua família, mas acaba se apaixonando por ela. A grande química entre Sendel e Adela foi evidente, fazendo com que o público torcesse pelo amor dos dois. O final deixou muitos surpresos. José Guadalupe morre e Virginia se casa com Fernando, deixando os telespectadores felizes.


LAS DOS CARAS DE ANA (As Duas Caras de Ana, 2006) – O casal de protagonistas, Ana (Ana Layevska) e Rafael (Rafael Amaya), contava com bastante aceitação do público, mas isso mudou com a entrada de um novo personagem. Santiago (Jorge Aravena) é um diretor de cinema que decide investir no potencial de Ana como atriz, e acaba formando um triangulo amoroso com os mocinhos. Enquanto Ana Layevska namorava Rafael Amaya durante a novela, sua relação com Jorge Aravena era a mais conturbada possível. Mesmo assim, a química que os dois transmitiam em cena era imensa, fazendo o público realmente ficar dividido entre os dois pretendentes da moça. No final, Ana acaba descobrindo que ainda ama Rafael e os dois terminam a novela juntos


QUERIDA ENEMIGA (Querida Inimiga, 2008) – E quem disse que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar? Novamente em uma produção de Lucero Suarez, Jorge Aravena interpretou a segunda opção da protagonista, também novamente interpretada por Ana Layevska. A história de amor dos mocinhos, Lorena (Ana Layevska) e Alonso (Gabriel Soto) tinha grande torcida, mas quando o mocinho trai sua amada com a vilã, Sara (Carmen Becerra), o público começou a não aceitar a volta do casal. É quando surge o chef Ernesto (Jorge Aravena) na vida de Lorena. A relação entre os dois começa com brigas, mas os dois logo acabam se apaixonando. A alta química dos dois, mostrada em “Las Dos Caras De Ana”, foi comprovada e dessa vez a produtora acatou e deixou os dois juntos no final. E assim, como aconteceu em “Mujer De Madera”, o personagem de Gabriel Soto acabou perdendo o amor da protagonista. A novela vai ser exibida pelo SBT substituindo "Mar de Amor.


TERESA (Teresa, 2010) – A história de amor entre a ambiciosa Teresa (Angelique Boyer) e o humilde Mariano (Aaron Diaz) nunca chegou a ser desprezada pelo público, mas foi só a “hembra mala” se casar com seu professor, Arturo (Sebastian Rulli), para a química entre seus interpretes explodir e os telespectadores logo torcerem pelo casal. Em contrapartida, o romance entre Mariano e Aurora (Ana Brenda Contreras) também se desenvolve e ganha a torcida do público. No final, aguardado por todos, Teresa se regenera e termina a trama ao lado do sempre apaixonado Arturo. Não é atoa que anos depois Rulli e Angelique, hoje namorados, voltaram a fazer par romântico em “Lo Que La Vida Me Robó” (2013) e em “Tres Veces Ana”.


QUIERO AMARTE (Quero Amar-Te, 2013) – Em determinado momento da trama, a protagonista Amaya (Karyme Lozano) destrói o coração de seu galã, Max (Cristian De La Fuente) ao deixa – lo para se casar com seu irmão, o vilão Lucio (Flavio Medina). Foi ai que a maior parte do público preferiu que o mocinho terminasse o folhetim ao lado de sua ex – noiva, Constanza (Adriana Louvier). A torcida pelos dois foi tão grande que ultrapassou os movimentos nas redes sociais e os fãs chegaram a colocar uma grande faixa na porta da sede da Televisa pedindo ao produtor, Carlos Moreno, que deixasse Max e Constanza juntos no desfecho da trama. E realmente se criou uma grande duvida para saber sobre o destino de Max e Amaya, já que na vida real, a relação de seus interpretes era a pior possível e tudo indicava que os dois não estariam mais dispostos a conviverem. Apesar de tudo, o final não foi alterado e Max terminou mesmo com Amaya. Para piorar a situação dos que torciam para Constanza, ela não foi a elegida por Max nem no final alternativo.


MI CORAZÓN ES TUYO (Meu Coração é Teu, 2014) – Novamente Jorge Salinas perde o apoio do público pela conquista do coração da mocinha. Dessa vez, a novela que foi exibida recentemente pelo SBT, enquanto o romance entre “Fernando” (Jorge Salinas) e “Ana” (Silvia Navarro) não se desenvolve, a mocinha engata um romance com o irmão de seu chefe, Diego (Pablo Montero). Imediatamente o casal caiu nas graças do público e a torcida pelos dois foi grande. Em uma enquete realizada pela própria Televisa, foi indicado que 84% do público torcia pelo personagem de Pablo Montero. A torcida não pode durar muito tempo, já que Pablo foi afastado da trama por problemas no comportamento, voltando somente depois. No final, como esperado, Ana termina a trama ao lado de seu grande amor, Fernando!

Fonte: Febre Mexicana, grupo do Facebook.

Google Translate

Postagens + Populares